Ciência e Tecnologia

Pseudociência

Nº 48 | setembro 2014

David Marçal

* 10% desconto incluído. Portes de envio grátis para Portugal Continental e Ilhas.
Sobre
Ver

Sinopse

Enquanto a ciência tiver credibilidade, haverá sempre quem queira vender as suas ideias, produtos e serviços, alegando que estes têm validade científica, sem que isso seja verdade. A pseudociência está por todo o lado e recorre a um conjunto de estratégias reconhecíveis, na tentativa de se validar. Neste ensaio são apresentadas algumas dessas estratégias, como o uso abusivo de linguagem aparentemente científica e a evocação de figuras de autoridade (tais como especialistas e médicos). A ciência não se baseia em nada disso, mas sim em provas, passíveis de confirmação. São propostas algumas ferramentas para ajudar a distinguir ciência de pseudociência, mas o único antídoto para a pseudociência é a cultura científica.

Autoria

Coordenação e autoria

  • David Marçal
    Doutorado em Bioquímica pela Universidade Nova de Lisboa (2008). Foi jornalista de ciência no jornal Público e autor do Inimigo Público. Autor de vários espectáculos de teatro e programas de televisão sobre temas científicos. Co-autor, com Carlos Fiolhais, dos livros Darwin aos Tiros e Outras Histórias de Ciência (Gradiva, 2011) e Pipocas com Telemóvel e Outras Histórias de Falsa Ciência (Gradiva, 2012). Coordenador e co-autor do livro Toda a Ciência (Menos as Partes Chatas) (Gradiva, 2013). Em 2010 venceu os prémios Químicos Jovens e Ideias Verdes.

Partilhar