Política e Sociedade

Pode Portugal ter uma estratégia?

Nº 95 | junho 2019

Bruno Cardoso Reis

* 10% desconto incluído. Portes de envio grátis para Portugal Continental e Ilhas.
Sobre
Ver

Sinopse

É uma evidência: por ser limitado em gente e recursos, Portugal dependeu sempre das relações com o exterior. Daí que seja importante questionar se, ao longo da história, temos seguido a estratégia mais eficaz para garantirmos uma boa inserção num mundo incerto. O presente ensaio aponta para um problema central na cultura estratégica portuguesa, que é a aversão ao planeamento sistemático. Falta-nos capacidade de análise, planificação e coordenação do conjunto dos meios do Estado para antecipar ou responder a ataques, crises, emergências. No entanto, ao contrário do que alguns defendem, um país como Portugal não só pode, como deve ter uma grande estratégia nacional, que articule sistematicamente uma visão do seu lugar no Mundo e tire o máximo partido das suas capacidades. É o que se propõe neste ensaio.

Autoria

Coordenação e autoria

  • Bruno Cardoso Reis
    Doutorado em Estudos de Segurança pelo King’s College, Londres. É subdiretor do Centro de Estudos Internacionais do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE‑IUL) e assessor convidado do Instituto da Defesa Nacional, tendo feito parte do grupo de trabalho de revisão do Conceito Estratégico de Defesa Nacional. É investigador associado do M. Howard Center for the History of War (King’s College). Foi um dos autores do volume The Oxford Handbook of European Defence Policies (2018)

Partilhar

Relacionados

1 /