Ciência e Tecnologia

Inteligência artificial

Nº 90 | janeiro 2019

Arlindo Oliveira

* 10% desconto incluído. Portes de envio grátis para Portugal Continental e Ilhas.
Sobre
Ver

Sinopse

Somos a espécie animal mais inteligente que se conhece, produto de uma extraordinária evolução biológica com milhares de milhões de anos. Daí que não seja de estranhar que hoje queiramos ultrapassar os nossos próprios limites, criando sistemas que reproduzam comportamentos inteligentes de forma artificial. Em que ponto estamos nesta aventura? Será que algum dia esses sistemas irão superar a inteligência dos seus criadores? Devemos temê-los? Que papel podem desempenhar na evolução futura da espécie humana e na conquista do espaço? Este ensaio descreve, de forma acessível, o que é a inteligência artificial e a sua relação com a inteligência humana, assim como possíveis aplicações e implicações societais e económicas. Inclui uma perspectiva histórica e uma análise da situação actual da tecnologia. Reflecte sobre as possíveis consequências do desenvolvimento da inteligência artificial e convida-nos a projectarmos a nossa inteligência no futuro.

Autoria

Coordenação e autoria

  • Arlindo Oliveira
    É licenciado pelo Instituto Superior Técnico (IST) e doutorou-se pela Universidade da Califórnia em Berkeley em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Foi investigador no CERN, em Berkeley, na Cadence Design Systems e no INESC-ID. É professor catedrático no IST, do qual foi presidente, e desenvolve investigação nas áreas de algoritmos, aprendizagem automática, bioinformática e neuroengenharia. É membro do Conselho Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação e do Conselho Consultivo do Painel de Ciência e Tecnologia do Parlamento Europeu (STOA) e administrador não executivo da Caixa Geral de Depósitos. Publicou três livros, traduzidos em diversas línguas, e centenas de artigos científicos e de divulgação. Foi administrador de diversas empresas e instituições, da Associação Portuguesa para a Inteligência Artificial e do INESC-ID. Foi director do nó português da rede europeia de dados biológicos ELIXIR e investigador do CERN, do INESC, dos Cadence Research Laboratories e do Electronics Research Lab em Berkeley. É membro da Academia da Engenharia e membro sénior do IEEE. Recebeu diversos prémios e distinções, entre os quais o prémio Universidade Técnica de Lisboa / Santander por excelência na investigação, em 2009.

Partilhar