A
A

Como pomos fim à pobreza?

41 min
Ver episódio

Em Portugal, ter emprego não é suficiente para não se ser pobre. Há cerca de dois milhões de pessoas em condição de pobreza e exclusão social no país – e destas, uma em cada quatro está empregada. Cinco décadas depois da Revolução de abril, o retrato do país continua a ser feito de pobreza. E já pouco sentido faz reduzi-la a uma vertente monetária.

A pobreza vai além de rendimentos e mostra-se também no acesso à educação, à saúde, à habitação e cultura. Há muito do 25 de Abril que está por cumprir.

Os dados de um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos mostram um aumento significativo do número de pessoas que não consegue aquecer a casa ou garantir uma refeição de carne ou peixe.

Neste especial de informação, debate-se um país pobre e formas para o erradicar. Juntam-se à conversa Carlos Farinha Rodrigues, economista e professor no ISEG, Eugénio da Fonseca, presidente da Confederação Portuguesa do Voluntariado, Sandra Araújo, coordenadora da Estratégia Nacional de Combate à Pobreza para 2021-2030 e Fernanda Rodrigues, professora na Universidade Católica Portuguesa.

Cinco décadas de Democracia é uma parceria Fundação Francisco Manuel dos Santos/SIC/Expresso. 

Como avalia este conteúdo?
A sua opinião é importante.
2 votes
Episódios
1
Imagem do vídeo de abertura Cinco Dècadas de Democracia
Vídeo: A democracia começou aqui

O Largo do Carmo foi o epicentro do golpe militar de 25 de Abril de 1974, que pôs fim a 48 anos de autoritarismo. Desde então, vivemos cinco décadas de democracia, cinco décadas de...

6 min
Saber mais

O Largo do Carmo foi o epicentro do golpe militar de 25 de Abril de 1974, que pôs fim a 48 anos de autoritarismo. Desde então, vivemos cinco décadas de democracia, cinco décadas de...

6 min
Saber mais
2
Imagem do presidente da Fundação Gonçalo Saraiva Matias, na abertura do evento Cinco Décadas de Democracia, o que mudou?
Gonçalo Saraiva Matias: Abertura do evento Cinco décadas de democracia, o que mudou?

Portugal hoje é muito diferente do que era há 50 anos, defende Gonçalo Saraiva Matias, presidente da Fundação Francisco Manuel dos Santos, na abertura do evento Cinco décadas de...

9 min
Saber mais

Portugal hoje é muito diferente do que era há 50 anos, defende Gonçalo Saraiva Matias, presidente da Fundação Francisco Manuel dos Santos, na abertura do evento Cinco décadas de...

9 min
Saber mais
3
Imagem do politólogo Pedro Magalhães
Pedro Magalhães: O essencial da política portuguesa

Portugal é, em grande medida, uma democracia como muitas outras. Mas tem também aspetos que a diferenciam das de outros países ocidentais. O que nos torna únicos? O cientista...

26 min
Saber mais

Portugal é, em grande medida, uma democracia como muitas outras. Mas tem também aspetos que a diferenciam das de outros países ocidentais. O que nos torna únicos? O cientista...

26 min
Saber mais
4
Imagem dos especialistas em democracia Daniel Ziblatt e Sheri Berman
Sheri Berman e Daniel Ziblatt: Como impedir a destruição da democracia

Como impedir a destruição da democracia? As respostas num debate que juntou em Lisboa dois dos maiores pensadores internacionais sobre democracia: Daniel Ziblatt, da Universidade...

47 min
Saber mais

Como impedir a destruição da democracia? As respostas num debate que juntou em Lisboa dois dos maiores pensadores internacionais sobre democracia: Daniel Ziblatt, da Universidade...

47 min
Saber mais
5DD logotipo
Série
Outros
14EPISÓDIOS
2023

Portugal hoje é muito diferente do que era há 50 anos. Quase cinco décadas depois, que mudanças profundas aconteceram no país? E que lições devemos retirar para melhorar o futuro? 

A Fundação tem um extenso programa para refletir sobre o que mudou e o que é preciso garantir para melhorar a democracia nacional. Um programa que começa no Quartel do Carmo onde o regime caiu – com o evento «Cinco décadas de democracia, o que mudou?» – e se estende a mais debates, documentários, publicações e estudos, que vão permitir pensar e construir o futuro coletivo.

Ler menos
Portuguese, Portugal