Quantos alunos estarão sem aulas daqui a 1 ano?

As reformas massivas de professores e a falta de novas entradas nos mestrados que dão acesso à carreira docente deixarão dentro de um ano 110 mil alunos sem aulas.

6 min. leitura
Ler mais tarde Remover artigo
A não ser que se deixem cair as exigências actuais de contratação de professores através do concurso nacional daqui a um ano teremos 110 mil alunos sem aulas a pelo menos uma disciplina.

Um número que, daqui a 3 anos, atingirá os 250 mil estudantes, ou seja, mais de metade dos alunos que hoje frequentam o ensino do 7.º ao 12. º anos.

Estes impactos, contudo, serão apenas pontuais no caso dos anos do pré-escolar ao 6.º ano. Por um lado, devido à quebra da natalidade, por outro porque o número total de educadores e professores actualmente a ser formados será adequado face à projecção de necessidades futuras.

Vejamos então os factos:

Com a massificação do ensino nos anos após o 25 de Abril, foram contratados para dar aulas muitos jovens na casa dos 20-30 anos, licenciados, mas sem formação específica em didáctica e pedagogia. Estima-se que terão sido cerca de 50 mil, com o grande boom a verificar-se em meados da década de 1980. Esses jovens, fizeram a profissionalização em exercício, entraram na carreira docente e estão agora a aproximar-se da idade da reforma.

E, tal como houve um boom de entradas, vai dar-se agora um boom de saídas.

Em 2019, com o avizinhar destas saídas em massa, o Conselho Nacional de Educação solicitou-me, enquanto directora da DGEEC, uma projecção para o número de pedidos de aposentação nos 10 anos seguintes, por grupo de recrutamento (que aqui designarei por grupo disciplinar). Pediu-me ainda que se fizesse um levantamento de quantos novos professores estavam a ser formados nas Universidades e Politécnicos.

O relatório foi publicado em Julho de 2019 mas pouca foi a atenção dada ao problema, principalmente do lado das Universidades. Já o Ministério da Educação encomendou um estudo mais detalhado a uma equipa de investigadores da Nova SBE liderada por Luís Catela Nunes, no qual se interligam as projecções de aposentações com as projecções de alunos, e com isso cenarizando o número de novas contratações a fazer a curto e a médio prazo.

É deste estudo que trago os primeiros números relativos às previsões de aposentação:

Não estou aqui a considerar todos os grupos disciplinares, embora os números sejam preocupantes na generalidade, com excepção dos do grupo da Educação Física. Forcar-me-ei nos oito que constam da tabela acima por serem aqueles com dados históricos de maior expressão na formação inicial de professores.

Como já referi, onde estará o maior problema é na capacidade de resposta das universidades na formação destes professores. E, para ilustrar esse facto, recorri aos números de diplomados que a DGEEC disponibiliza aqui (ver ficheiros com a designação “Diplomados no Ensino Superior em …”), onde há dados desde 2002/03.

A primeira constatação é de que, nos anos mais recentes, as ofertas de cursos que englobam pré-escolar e 1.º ciclo e que englobam 1.º ciclo e 2.º ciclo têm vindo a ser a regra, contrariamente ao que se verificou até 2008/09, onde os cursos de formação eram específicos para cada ciclo.

Optei, por isso, por considerar um grupo disciplinar alargado, designado por “Do pré-escolar ao 2.º ciclo” e que inclui a formação inicial de educadores de infância, professores de 1.º ciclo e professores de 2.º ciclo de Português e línguas estrangeiras, História e Estudos Sociais, Matemática e Ciências da Natureza.

Os números surpreendem pela dimensão da quebra! A profissão de professor deixou de ser atractiva por diversos motivos e os gráficos seguintes são bem ilustrativos dessa tendência:

Evolução do número de diplomados em cursos de mestrado nas áreas da formação inicial de professores

O gráfico da esquerda mostra que se formam actualmente cerca de 7 vezes menos professores para os níveis que vão do pré-escolar ao 6.º ano de escolaridade que em 2002/03. Ainda assim, e como iremos ver, o número actual está adequado ao que se prevê em termos de alunos e de turmas. As escolas superiores de educação dos institutos politécnicos de Lisboa, Porto e Coimbra contribuíram com 30% do total de diplomados nos mestrados de formação de Educadores de Infância e de Professores do 1.º e 2.ºciclos em 2019/20 (último ano com dados disponíveis).

Já no que refere ao Português para o 3.º ciclo e secundário, a situação é bastante preocupante, dada a redução do número de professores recém-formados nos últimos três anos (são actualmente 10 vezes menos que em 2002/03).

Apesar dos valores relativamente mais elevados entre 2010 e 2015, prevê-se insuficiência de professores de Português nos próximos cinco anos. O aumento das inscrições nos cursos de formação inicial de professores nesta área irá colocar, certamente, uma grande pressão nas Faculdades de Letras do Porto e de Coimbra e no Instituto de Educação de Lisboa, já que têm vindo a assegurar 90% dessa formação.

Dos grupos disciplinares contemplados nos quatro gráficos acima, apenas o de Biologia e Geologia revela uma queda abrupta desde 2002/03 mas, como veremos, em todos eles estão a ser formados menos docentes com qualificação profissional que os que são necessários face às saídas.

E o que dizer dos grupos da Matemática e da Física e Química? A resposta é que nestas áreas, que sustentam o conhecimento base para as novas tecnologias, haverá um enorme problema. Mesmo atendendo a que se poderá vir a abrir a porta à contratação de licenciados em engenharias e áreas afins, a competição com o mundo empresarial não faz antever um resultado favorável para o lado das escolas.

Formar apenas entre 17 e 22 professores de Matemática e entre 5 e 8 professores de Física e Química nos últimos quatro anos deveria ter feito soar os devidos sinais de alarme!

Será que uma boa campanha de marketing nas Faculdades de Ciências das Universidades de Lisboa, Porto e Coimbra conseguiria ter revertido esta situação? Eu diria que isso só acontecerá quando a carreira docente do básico e secundário se tornar mais atractiva …

Passemos agora ao confronto entre a oferta e a procura para cada um dos oito grupos disciplinares que aqui temos vindo a analisar.

Admitindo que a oferta se irá manter dentro do mesmo padrão nos próximos nove anos, apenas o grande grupo disciplinar “Do Pré-escolar ao 2.º ciclo” terá um valor superior a 1 no rácio oferta/procura em qualquer dos períodos. Todos os outros estão 4 a 10 vezes abaixo das necessidades no período 2022/23 a 2025/26 e 4 a 20 vezes abaixo no período 2026/27 a 2030/31 (com o grupo da Física e Química a ser o mais crítico).

O débito do pipeline da formação de professores por parte das universidades é, de há 10 anos a esta parte, de tal modo insuficiente que não vai mesmo haver alternativa a não ser tomar medidas de recurso: permitir um maior peso de professores sem habilitação profissional no sistema; redução das horas de apoio ao estudo; aumento significativo do número de alunos por turma.

Dez anos de débito reduzido tornam muito pouco provável que ainda haja professores com qualificação profissional nestes grupos de recrutamento a aguardar por colocação. Os poucos que têm vindo a ser formados foram já, certamente, absorvidos.

Essa foi uma das premissas das previsões que apresentei sobre o número de alunos que ficariam sem aulas. A outra premissa foi a de que, só em última instância se deixaria uma turma sem professor a duas ou mais das disciplinas aqui consideradas.

Também se teve em conta as horas de cada disciplina nas matrizes curriculares e a carga horária dos professores em final de carreira (redução de 8 horas face às 22h do início da carreira). Na prática, cada 2 professores que entram de novo compensam a saída de 3 professores por aposentação e somente por isso os números do primeiro parágrafo deste texto não são ainda mais expressivos.

23 de março de 2022

Ler do início
Achou este artigo útil?

174 leitores acharam este artigo útil.