Jornada da Economia e da Competitividade 2018
Economia e Políticas Económicas

Jornada da Economia e da Competitividade 2018

3 outubro 2018
Diversificação e Crescimento da Economia Portuguesa

2018

3 outubro
10h30 - 19h00
Casa da Música, Porto
Ver mapa

Jornada da Economia e da Competitividade 2018

O dia terminará com a primeira edição da António Borges Lecture: "Reflexões sobre Estratégia e Competitividade na Era Digital" com Diogo Lucena e Peter Zemsky, Deputy Dean e Eli Lilly Chaired Professor of Strategy and Innovation do INSEAD.

Nenhum sector de actividade, indústria ou país pode hoje escapar às transformações disruptivas da revolução industrial 4.0. A adaptação à mudança afecta a sua competitividade e determina a sua posição na economia global. A complexidade dos bens e serviços produzidos e a localização das multinacionais são determinadas pelas condições institucionais da economia e, cada vez mais, pela disponibilidade de capital humano. O que podem os governos fazer para aproveitar este novo contexto tecnológico? Que sectores de actividade têm maior potencial de crescimento e de arrastamento da economia? Qual a contribuição das multinacionais para a valorização do capital humano da economia? Estas são algumas das questões que serão discutidas na Jornada da Economia e da Competitividade, tendo como ponto de partida três novos estudos da Fundação que analisam o nível de diversificação e complexidade da economia portuguesa, a importância do capital humano para as multinacionais e o impacto da criação de novas empresas na desigualdade salarial. À apresentação dos estudos pelos autores seguir-se-ão debates com a participação de especialistas e de empresários. A Jornada da Economia e da Competitividade encerrará com a primeira edição da António Borges Lecture, apresentada por Diogo Lucena da NOVA SBE. A lição será proferida por Peter Zemsky, Deputy Dean e Eli Lilly Chaired Professor of Strategy and Innovation do INSEAD, sobre o tema «Reflections on Strategy and Competitiveness in a Digital Age».

Programa

  • 10h30
    Recepção e acreditação
  • 11h00
    Diversificação e Crescimento da Economia Portuguesa
    Apresentação de estudo coordenado por Leonor Sopas, da Universidade Católica Portuguesa, Porto
    O fraco crescimento da economia portuguesa tem sido associado à dificuldade em diversificar a estrutura produtiva, transferindo recursos para o fabrico de bens transacionáveis com maior valor. O estudo identifica produtos com potencial para aumentar a complexidade económica de Portugal e o potencial de crescimento da economia. Partindo de dois estudos de casos dos 'clusters' de tecnologias de produção e aeronáutico, são propostas políticas públicas.
  • 12h15
    Pausa para almoço
  • 14h30
    Dinâmicas empresariais e desigualdade salarial
    Apresentação de estudo coordenado por Rui Baptista, da Universidade de Lisboa
    A centralidade do empreendedorismo como factor de desenvolvimento económico reflecte-se nas políticas públicas nacionais e regionais para apoiar novos negócios com uma componente inovadora. Associações entre municípios, empresas e universidades têm gerado parques de ciência e tecnologia e centros de incubação. A existência de casos de sucesso pode esconder elevada criação e mortalidade de empresas. O estudo explora a relação entre criação de empresas, empreendedorismo e desigualdade salarial.
  • 16h00
    Encerramento de Multinacionais: o capital que fica
    Apresentação de estudo coordenado por Pedro de Faria, da Universidade de Groningen
    O capital humano é um dos principais factores de competitividade do país e de atracção de Investimento Directo Estrangeiro. O sucesso das multinacionais depende das suas estratégias de recrutamento, em que os trabalhadores qualificados têm cada vez mais importância. Por outro lado, as empresas multinacionais podem valorizar o capital humano, beneficiando também por essa via a economia nacional. O estudo analisa a importância do capital humano para as empresas multinacionais.
  • 17h15
    Coffee-break
  • 17h45
    António Borges Lecture: Reflexões sobre Estratégia e Competitividade na Era Digital
    Qual a razão do crescente interesse no digital e quais as implicações para a competitividade?
    Um número crescente de indústrias está a ser confrontado com a perspectiva de disrupção através de tecnologias e modelos de negócio digitais. Qual a razão do crescente interesse no digital e quais as implicações para a competitividade?
Ver

Partilhar