Ucrânia: sugestões de leitura I

O historiador e director de Publicações da Fundação, António Araújo, deixa-lhe sugestões de leitura para compreender melhor a invasão da Ucrânia pela Rússia e o seu impacto na Europa e no mundo.

5 min. leitura
Ler mais tarde Remover artigo
Quando uma grande biografia de Putin (Steven Lee Myers, «O Novo Czar – Ascensão e o Reinado de Vladimir Putin», Edições 70) esgota nas livrarias, é sinal de que muitas pessoas estão interessadas em conhecer e saber mais do que se passa – e procuram a informação credível que só os livros fornecem.

           Começo, pois, com livros, em português e acessíveis. De José Milhazes, o único especialista português sobre a Rússia que domina o idioma do país, a FFMS publicou Rússia e Europa: uma parte do todo, onde se defende a tese, mais que correcta, de que a Rússia é um país europeu – e que as tentativas feitas, ao longo da História, e agora por Putin, para a firmar com outra coisa, mais a pender para a Ásia, têm sido uma das desgraças de um país como um passado e uma cultura admiráveis. A dado trecho do livro, um analista russo revela o temor de que a Rússia seja convertida na «nova África da China», isto é, que a China explore e subjugue a Rússia como o fez aos africanos. Um risco agora aumentado, brutalmente aumentado, pela estúpida invasão da Ucrânia, que isolará a Rússia a oeste e torná-la-á (ainda) mais dependente de Pequim.

Milhazes é também autor de duas outras excelentes sínteses, uma biografia de Putin distribuída com a revista Sábado (Putin, em busca da eternidade), e a Mais Breve História da Rússia – Dos Eslavos a Putin, das Publicações Dom Quixote.

          Para acompanhar o conflito, com informação actualizada ao minuto e sobretudo sistematizada de um modo impecável (só ali podemos ver a impressionante lista das grandes empresas que sancionaram a Rússia, bem como o que se passa na cultura e sobretudo nas diversas modalidades desportivas), recomendo muito as entradas na Wikipédia em língua inglesa «2021-2022 Russo-Ukrainian crisis» e, acima de tudo, «Reactions to the 2021-2022 Russo-Ukrainian crisis».

          Agora, algumas leituras mais soltas, que me despertaram o interesse:

 

Tem-se falado na necessidade de perceber o ponto de vista russo, se é que tal é possível. Para isso, sugere-se o artigo de Sergei Lavrov, «Perspectiva Histórica da Política Externa Russa», onde se diz, entre outra coisas, que no Ocidente há escolas onde se ensina que Cristo era bissexual (!). Para uma síntese deste ensaio, pode ler-se o artigo de Alexei Sobchenko «The World According to Sergei Lavrov (and Putin)». O ensaio de Putin «Sobre a unidade histórica de Russos e Ucranianos» foi objecto de uma excelente análise no site do Ukrainan Research Institute da Universidade de Harvard, que tem outros artigos de excepcional interesse.

A perspectiva da Rússia, contudo, não é apenas a do Kremlin, e ainda bem. Mesmo descontando todos os exageros propagandísticos, é interessante ver o site de Navalny, https://navalny.com/, e as denúncias aí feitas de alguns oligarcas.

Por fim, mas não por último, Jorge Almeida Fernandes assina no Público,uma lúcida e clarividente análise de tudo aquilo a que vimos assistindo. Um texto,  notável, como sempre, que termina assim:

 

Putin foi durante anos considerado um génio estratégico. A invasão da Ucrânia é um desastre, onde lhe restam a brutalidade e os crimes de guerra. Putin fez da Rússia um pária internacional. Reunificou a Europa e a Aliança Atlântica. A sua última obra foi fazer ressurgir a Alemanha.

 

Até breve, boas leituras.

 

Ler do início
Achou este artigo útil?

12 leitores acharam este artigo útil.